Sem categoria

Francisca Júlia

Um monumento de poeta que descobri há pouco. Ignorada pela crítica, virtualmente esquecida pelo tempo. Um salve a esse hino de mulher. O poema se chama Dança das Centauras:

“Patas dianteiras no ar, bocas livres dos freios,

Nuas, em grita, em ludo, entrecruzando as lanças,

Ei-las, garbosas vêm, na evolução das danças

Rudes, pompeando à luz a brancura dos seios.

A noite escuta, fulge o luar, gemem as franças;

Mil centauras a rir, em lutas e torneios,

Galopam livres, vão e vêm, os peitos cheios

De ar, o cabelo solto ao léu das auras mansas.

Empalidece o luar, a noite cai, madruga…

A dança hípica pára e logo atroa o espaço

O galope infernal das centauras em fuga:

É que, longe, ao clarão do luar que empalidece,

Enorme, aceso o olhar, bravo, do heróico braço

Pendente a clava argiva, Hércules aparece”

Padrão
livro, poema

Nasceu a criança

Fruto de um pulo de cabeça na vivência da Psicanálise – no divã, como analisanda, na pós, como estudante – eis meu primeiro livro solo de poemas. Um sonho realizado! Convido todos a adquirir “Poeta em pânico” no link abaixo:

https://www.editoraletramento.com.br/produto/poeta-em-panico-454

Críticas, sugestões, elogios… ávida por tudo!

Ana.

Padrão
Sem categoria

Todo mundo deveria ler este poema

E tenho dito.

A condição poética

um poema de Czeslaw Milosz
traduzido por Ana Cristina César e Grazyna Drabik

Como se tivesse em vez de olhos binóculos ao contrário, o mundo
se distancia e pessoas, árvores, ruas, tudo diminui, mas nada,
nada perde a clareza, fica mais denso.

Já tive antes momentos assim, escrevendo poemas; conheço então
a distância, a contemplação desinteressada, sei assumir
um eu que é não-eu, mas agora é sempre assim e me pergunto
o que significa isso, se entrei numa permanente condição poética.

As coisas difíceis antes, agora são fáceis, mas não sinto desejo
forte de transmiti-las por escrito.

Só agora estou sadio, e era doente, porque o meu tempo
galopava e afligia-me o medo do que viria.

A cada momento o espetáculo do mundo é para mim de novo
surpreendente e tão cômico que não entendo como a literatura
podia querer dominá-lo.

Sentindo fisicamente, ao alcance da mão, cada momento, amanso
o sofrimento e não suplico a Deus que queira afastá-lo de mim:
por que o afastaria de mim se não o afasta dos outros?

Sonhei que me encontrava numa estreita borda sobre o oceano
onde se viam nadando enormes peixes marítimos.
Tive medo que, se olhasse, cairia. Virei então,
agarrei-me nas asperezas da parede rochosa,
e movendo-me lentamente, de costas para o mar, cheguei
a um lugar seguro.

Eu era impaciente e irritava-me a perda de tempo com coisas triviais
incluindo entre elas a faxina e a preparação da comida. Agora
corto com cuidado a cebola, espremo os limões, preparo
vários tipos de molho.

Padrão
autoral

Ruminações

Aristóteles apregoava que a excelência só se é alcançável por meio da repetição. Eis aí uma enorme pedra no meio do caminho: se não nascemos com virtudes inatas e tudo pode ser cultivado, não há desculpas para fracassar.

Essa coisa de ter que encontrar a justa medida, de transitar perfeitamente entre vícios e virtudes, é muito problemática. Sim, acredito que a insistência em boas práticas desenvolve o hábito. Mas,que hábito é esse que justifica a escravidão? Mesmo levando em consideração o anacronismo da questão, me arrisco.

O mesmo Aristóteles da justa medida também afirmava que, ao se distribuírem flautas, a prioridade do recebimento é dos melhores flautistas. Ora, não há repetição que baste se um reles mortal precisa competir com um Altamiro Carrilho da vida.

O próprio Aristóteles não considera os homens como iguais por natureza. Não por acaso, ele era de família rica. Kelsen, em “O problema da justiça”, afirma que o grego só estava interessado na “manutenção da ordem social estabelecida”. Parece-me ser deveras o caso.

Para além da crítica à escravidão – mais tarde corroborada por São Tomás de Aquino e disseminada nos séculos seguintes – quero propor uma reflexão: seria o hábito, em si, uma virtude? A prática reiterada de uma mesma ação, mesmo que moralmente considerada correta, não significa tolher a possibilidade do desvio (clinâmen)?

Enfim, eis a provocação para a semana. Ah!, se pudéssemos fazer do desvio o hábito por excelência…

Padrão
autoral

Para ler e reler

Estou, no momento, lendo três livros, vendo um filme, ouvindo música, escrevendo aqui no blog, terminando um conto para um concurso, ajeitando a coluna torta. Esse post é um esforço mental e organizacional, quase uma entrada de diário.

Preciso fazer menos coisas ao mesmo tempo. Limitar o multitasking a, no máximo, duas tarefas. Tento fazer coisas demais, e acabo no velho dilema de não estar totalmente presente em nenhuma delas. Brecar, respirar, concentrar, ter calma. Há tempo para todas as coisas, Ana.

Tenho tido uma certa dificuldade para escrever. Como tudo na vida, parece que o segredo é não desistir. Forças, escritores por aí a fora. Eleger a criatividade como construção diária é uma delícia, por isso não podemos nos furtar das dores dos bloqueios. A maré só sobe porque também abaixa.

“Faça coisas. Seja curiosa, persistente. Não espere por um empurrão da inspiração ou por um beijo da sociedade na sua testa. Preste atenção. É tudo sobre prestar atenção. É tudo sobre captar o máximo que você puder do que está por aí e não deixar que desculpas e que a monotonia de algumas obrigações diminuam sua vida.” Susan Sontag disse tudo que eu queria dizer em pouquíssimas palavras. Aliás, que mulher.

Comprometo-me a reler esse post sempre que estiver às voltas com dificuldades para me concentrar, escrever, criar ou qualquer coisa do gênero.

Padrão
autoral, cinema

Maria – não esqueça que eu venho dos trópicos

Nos últimos anos, tenho me interessado exponencialmente por escultura. É um tipo de arte muito enigmática, que começou a me despertar um desejo de aprender a fazer algo com as próprias mãos.

Mas, tem gente que já nasce iluminada. É o caso de Maria Martins (mais uma adição para a galeria dos excepcionais artistas mineiros que admiro). O documentário Maria – não esqueça que eu venho dos trópicos, é mais uma pérola escondida na grande rede mundial de computadores. É como topar com um pedaço de uma memória recalcada, que haveria de emergir de algum modo.

A direção de Ícaro Martins é na medida exata. Apreciei cada escultura, pintura, desenho e gravura exibidos. Quase podia sentir a aura de Maria através da tela, numa rara experiência de apreciação artística. As esculturas são um caso à parte: transcendentalmente lindas, viscerais, chocantes.

A trilha sonora de Nelson Ayres e Ricardo Mosca ajuda muito na imersão da psiquê da artista. Cria-se um clima envolvente, sem apelar para violinos dramáticos ou estribilhos. É uma jornada de imersão, de compreensão de uma mulher cosmopolita, sensual, brilhante, mas também cheia de dores e mistérios.

Não sei como só descobri a existência dessa artista completa apenas em 2020. Sei, sim. Foi futucando a Mubi… mas, enfim. Como não se fala nesse monumento de mulher na escola, na mídia, em qualquer lugar? Respeitada em toda a Europa, embaixatriz do Brasil, organizadora da primeira Bienal de São Paulo, amiga pessoal de Picasso, amor da vida de Duchamps, dentre tantas outras coisas.

Minha alma feminina está plenamente nutrida para o ano. A obra de Maria Martins é simplesmente tudo de bom. Mil estrelas!

MARIA – Não Esqueça que Venho dos Trópicos
Documentário – Brasil – 81 minutos – 2017
Ficha técnica
Direção: Francisco C. Martins
Codireção e Produção: Elisa Gomes
Entrevistas: Malu Mader
Atores: Lucia Romano, Celso Frateschi
Produção Executiva: Elisa Gomes, Iside Mesquita
Direção de Fotografia e Câmera: Hugo Kovensky, ABC
Montagem: Idê Lacreta
Roteiro: Marta Góes, Idê Lacreta, Francisco C. Martins
Direção de Arte: Fernando Lion
Fotografia das Obras: Vicente de Mello
Trilha Sonora: Nelson Ayres, Ricardo Mosca
Coordenação de Pesquisa: Eloá Chouzal
Direção de Produção e Licenciamento: Ariene Ferreira
Supervisão de Som: Miriam Biderman, ABC
Desenho de Som: Ricardo Reis, ABC

Padrão